Comunicado da Direção do CD Arrifanense

O Clube Desportivo Arrifanense deslocou-se hoje a Ovar para defrontar a equipa local, num jogo referente à 19ª jornada na 1ª divisão distrital.

Durante toda a primeira parte o ambiente foi hostil e de constante intimidação e pressão quer para a equipa do Arrifanense quer para a equipa de arbitragem.

O jogo chegou ao intervalo com o resultado a registar 2-1 para a equipa da casa, no entanto era visível o pouco à vontade da equipa de arbitragem com o assistente nº 1 a ser constantemente pressionado pelo banco de suplentes da equipa da casa e pelos adeptos da equipa da casa.

Ao intervalo do jogo aconteceu o inacreditável, quando os atletas se dirigiam para o túnel de acesso aos balneários, o nosso atleta Bruno Inverno (autor do nosso golo) foi covardemente agredido pelos atletas 11, 17 e 22 da A.D. Ovarense, ficando com marcas bem visíveis (como se pode ver pelas fotos) tendo que ser substituído e encaminhado às urgências do Hospital São Sebastião.

O árbitro da partida não só não fez nada, como quando viu que havia confusão no acesso aos balneários se deixou ficar bem para trás, dizendo depois que não podia fazer nada porque não tinha visto nada. Os seguranças presentes limitaram-se a olhar, compactuando com o que estava a acontecer em vez de assegurarem a integridade física dos jogadores. Quando o C.D. Arrifanense solicitou junto do árbitro para que chamasse a G.N.R., este recusou uma vez mais com o argumento de que não tinha visto nada. A G.N.R. foi chamada ao local pelo nosso clube e tomou conta da ocorrência.

No balneário do Arrifanense foram vários os jogadores a precisarem de gelo, face à muita agressividade usada pelo adversário durante a primeira parte e por isso houve alguma dúvida se a equipa deveria regressar para a 2ª parte ou não.

Ainda assim regressamos para a 2ª parte. Informamos o árbitro que o nosso jogador tinha saído devido ao que aconteceu, mas o sr. árbitro continuou a afirmar que nada viu e que não podia fazer nada.

Na 2ª parte foi mais do mesmo, com os nossos jogadores com receio das entradas da equipa adversária, sempre com entradas viris que vinham acompanhadas de insultos. Várias vezes foi usada a frase “isto é pelo que vocês nos fizeram lá em vossa casa”. O que se passou em nossa casa é simples, vencemos o jogo 3-1 e jogamos desde o minuto 35 com 10 jogadores, sendo que nessa altura o jogo estava 0-0.

Apesar do receio dos nossos jogadores o adversário apenas chega ao 3-1 ao minuto 70, num lance de fora de jogo iminente após um lançamento de linha lateral, com a bola a ser lançada para trás e depois a regressar ao jogador que lançou, com o arbitro a ser questionado pelos jogadores e mais uma vez a dizer que não viu, tal como o seu assistente.

Após este momento os jogadores da nossa equipa estavam mais interessados em que o “INFERNO” que estava a acontecer terminasse rápido em vez de tentarem discutir qualquer bola dividida, já que o excesso de agressividade nunca foi punido, evitando assim lesões ou castigos desnecessários.
O resultado final foi de 5-1 para a Ovarense, mas parece-nos que perante o que se passou isso é o que menos interessa.

Esperemos que a Associação de Futebol de Aveiro queira perceber o que se passou neste “não jogo”.