«Queremos chegar aos play-offs»

Rui Mourinho é um homem do basquetebol. Enquanto jogador, jogou nos três clubes da cidade de Aveiro mas a sua grande paixão é o CP Esgueira. Foi por isso que se candidatou e chegou a presidente do popular clube aveirense.

Nesta entrevista exclusiva ao DesportoAveiro, Rui Mourinho fala dos objectivos da sua Direção, que diz ser de continuidade mas ambiciosa.

O que é que o levou a concorrer a presidente do Esgueira?

A paixão pelo Esgueira e o sentir-me capaz e motivado para ajudar o clube durante mais alguns anos.

Quer um mandato que seja de continuidade ou há alguma coisa que vai mudar contigo?

É uma direcção de continuidade porque se mantêm quatro elementos, porque temos muito orgulho no trabalho feito nos últimos dez anos e não vamos alterar a visão nem a missão do clube.

Mas não há dúvida que se trata do início de um novo ciclo, com novos protagonistas e onde vamos priorizar a modernização do clube ao nível do marketing, comunicação, merchandising, digital e novas tecnologias.

O CP Esgueira volta a competir na proxima época na Liga. Com que objectivos parte o clube para este proximo campeonato?

O nosso objectivo na equipa sénior masculina é ambicioso, queremos atingir o «playoff» no fim da fase regular.

Na equipa sénior feminina, vamos disputar o acesso à Liga numa competição a realizar no início da época.

A Formação vai continuar a ser uma prioridade?

Seguramente, seremos sempre um clube formador, com o objectivo de ensinar a prática do jogo e as competências sociais aos nossos jovens.

Vamos ter um coordenador específico para o minibasquete e outro para a Formação, com o objectivo de fazer um trabalho ainda mais rigoroso e atento às especificidades de cada escalão.

«QUEREMOS TER AS MELHORES RELAÇÕES COM TODOS OS CLUBES»

Falando um pouco de si, fala-nos do teu percurso na modalidade; quando é que começaste a jogar e que clubes representaste?

Comecei a jogar basquetebol na rua com amigos. A nossa tabela era uma árvore e o cesto era uma reentrância que existia entre três troncos.

Oficialmente, foi na Escola João Afonso, com o Professor Luís Magalhães, depois estive dois anos nos SUB14 do Beira-Mar, quatro anos no Esgueira, onde joguei em todos os escalões de formação.

Voltei ao Beira-Mar ainda com idade de júnior para integrar o plantel sénior na época 1991-1992.

No ano a seguir, representei os Salesianos do Porto ainda como júnior e terminei no ano seguinte, como sénior no Galitos.

Voltando ao seu mandato, sabendo que a cidade de Aveiro tem outros dois clubes com basquetebol, que relações quer o CP Egueira ter com o Clube dos Galitos e com o SC Beira-Mar? 

Pretendemos ter a melhor das relações com o Beira-Mar, o Galitos e com todos os outros clubes da Associação de Basquetebol de Aveiro.

É muito importante fortalecer as relações entre todos os clubes, partilhando as boas práticas e estando unidos na defesa dos muitos interesses comuns, só assim poderemos ser mais fortes.

Parece evidente que as infra-estruturas do Esgueira começam a ser exiguas para a dimensao do clube. Está a pensar-se em algo para que também a este nivel o clube possa melhorar?

Sim, é um facto que temos problemas de espaço devido ao elevado número de atletas que temos. Por isso mesmo temos utilizado nos últimos anos os pavilhões da Escola Jaime Magalhães Lima, ao abrigo de um protocolo com a Câmara Municpal de Aveiro que se responsabiliza pelo pagamento do aluguer dos pavilhões à Escola.

Mas pretendemos mais, precisamos de continuar a requalificação do nosso pavilhão, aumentando áreas e que nos permita ter uma secretaria na frente do pavilhão, uma loja verde ampla e funcional, bem como um bar que potencie receitas.

Temos ainda o sonho de encontrar um parceiro que nos permita fazer um novo pavilhão adjacente ao actual, com três campos de treino e que nos permitiria aumentar significativamente a nossa capacidade de resposta e a qualidade do nosso trabalho com a comunidade de Esgueira e de Aveiro.